Fui ao cinema #10

Fui ao cinema assistir Jogos Vorazes: A Esperança - O Final
 
Oi pessoas que tanto amo 
Faz tempo que não faço essa coluna é?
Então, é claro que fui ao cinema assistir o ultimo filme da franquia Jogos Vorazes (pesar de ser em 3D, que como eu uso óculos fica extremamente desconfortável colocar um óculos sobre o outro.) Vamos esquecer a cena ridícula da pessoa aqui usando dois óculos. Tenho um assunto mais interessante para falar.

O que achei do filme?
Foi ótimo, sério, muito bom mesmo. Li no facebook alguns comentários negativos sobre o filme, mas primeiro, reparei que, primeiro: essas pessoas esperavam ver um filme de guerra, daqueles com braços voando e sangue para todos os lados. Sim tem muita guerra em jogos vorazes mas é um filme com classificação 14 anos e é direcionado aos adolescentes, então tem coisas que não devemos esperar de um filme assim. Segundo: O povo ama criticar!!!
As cenas de ação ficaram impecáveis, e o desenrolar da trama foi perfeito. Nossos queridos atores mais uma vez fizeram um ótimo trabalhado, só fico triste em ter que me despedir deles .
Claro tem algumas coisas que não gostei muito, acho que faltou um pouco de emoção em algumas cenas, parecia que a Katniss estava completamente anestesiada, achei ela muito fria em determinados momentos, coisa que eu não sentia no livro, no livro chorei horrores, mas não derramei nenhum lágrima no filme, até me emocionei (é difícil não se emocionar) e tal, mas não cheguei a chorar.

Dá para comparar o filme com o livro?

Muitas coisas sim, claro que não ficou 100% fiel mas também não acho isso possível, principalmente quando falamos do final de uma saga, pequenas peças são alteradas no primeiro filme e isso acaba tornando-se uma bola de neve, é inevitável. Mas o filme não saiu muito fora dos trilhos, e isso é que importa. Ele me satisfez como leitora, e acredito que os outros leitores da trilogia também gostaram.

E os atores?

Acho que dispensa comentários né, já falei tanto deles aqui no blog, mas tenho que destacar Julianne Moore que dá um show de interpretação.

O que achei do final do filme?
O final foi ótimo, mas acho que faltou um pouco mais de emoção nos últimos minutinhos...

Classificação Geral:




Beijos,
Juh

TAG: Senhora!

Oi pessoal!
Eu sei que ando sumida, mas não me abandonem, plisss. 
Eu tenho uma desculpa, algo realmente terrível aconteceu: meu computador veio a falecer...  Terrível não? Estou procurando um bom e barato para comprar e enquanto isso fico na dependência do celular (eu realmente não gosto de usar o celular para escrever posts) e do computador da minha mãe, que volta e meia eu "furto" ele e levo para a minha casa.


Mas vou para com isso, vamos a postagem do dia. Fui indicada pelo blog Infinitas Vidas, para responder essa tag divertida que foi criada pelo Carol do blog A colecionadora de historias.

A  TAG foi inspirada no vídeo (que se tornou viral) da funcionária pública que sai correndo de uma entrevista ao ser questionada sobre bater o ponto, mas não trabalhar. Quem não viu pode assistir aqui.
Bem, vamos ao que interessa:

Regras:
– Responda todas as perguntas
– Marque seus blogs amigos
– Dê os créditos de criação da tag

1. Desafio! Encontre um livro com uma jornalista na história e deixe a sinopse.
Um Romântico incorrigível - Devan Sipher. O livro narra a vida de um jornalista que escreve para um coluna sobre casamentos.
Eu já resenhei ele aqui no blog, clique aqui e confira!

2. Sorria, você está sendo filmado! O livro que você está lendo no momento.
A casa das marés - Jojo Moyes

3. Utilidade pública! Uma trilogia/série/saga que deveria ser de conhecimento geral.
Não é segredo que eu amo a saga "Sussurro", então essa é minha dica.


4. Ritual sagrado! Cite um livro que você releu, e por quê.

Eu não tenho o habito de reler livros, então essa resposta foi difícil. Mas um do livros que reli foi "Último sacrifício" da série Academia de vampiros, quando eu terminei o quinto livro da série, o ultimo ainda não havia sido lançado no Brasil e não tinha previsão de lançamento, então (como minha curiosidade é grande) acabei lendo em PDF, e quando foi lançando me senti na obrigação de comprá-lo para completar a coleção (e eu não ia deixar um livro novinho lá "largado" na minha estante né!?).

5. Batendo o ponto! Um livro que você leu por obrigação, ou somente porque “estava na moda”.
O Monge e o Executivo - James C. Hunter. Fui obrigada a resenhá-lo a uns 9 anos atrás, quando fiz um curso técnico em administração. O livro é bom, mas não é o tipo de leitura que eu escolheria, (ainda mais aos 18 anos, quando eu nem ao menos sabia o que realmente queria da vida).

6. Enrolando no bosque! Um livro que você demorou muuuito pra terminar.
Veneno - Sarah Pinborough. Não sei se foi eu ou o livro, acho que eu não estava em uma vibe boa para aquilo que encontrei na leitura e custei a "pegar no tranco" não sei quanto tempo levei para lê-lo, mas cheguei a para a leitura li outro livro, e só então consegui terminar a leitura desse.

7. Pega na mentira! Cite uma personagem “cara de pau”.
Menina de vinte - Sophie Kinsella. As personagem da Sophie são todas "cara de pau", mas acho que Lara Lington é a mais, não por vontade própria, mas com o "empurrãozinho" de uma fantasma muito levada, Lara faz coisas imagináveis.

8. Cite um autor não tão conhecido que deveria ser homenageado.
Amanda Ághata Costa. Autora do livro "A Escolhida", ela escreve muito bem se falar que seus personagens são adoráveis e bem construidos.

9. Profissão: Leitor! Um livro que você abandonou ou que te decepcionou totalmente.
O morro dos ventos uivantes - Emily Bronte. Eu poderia ter usa esse livro também na pergunta 6, mas acho que ele se encaixa mais aqui. Eu amo romances de época e Jane Austen é minha inspiração, então, decidi ler "O morro dos ventos uivantes" na época em que estava na moda por causa de "febre crepúsculo". O livro até é bonzinho, mas decepcionei muito com a leitura, eu tinha uma expectativa bem diferente do livro, achei a leitura muito maçante, sem falar que adquiri um ódio mortal pela Catherine.

10. Redundância Um livro que você considera “mais do mesmo”
Noite Eterna - Claudia Gray. Garota adolescente, tímida, com poucos amigos, se muda para uma cidade nova, vai estudar em um colégio misterioso. Vampiros, caçadores, ameaças mortais, um amor impossivel...
Acho que deu para entender.

11. Ninguém pode saber! Um livro da estante que você esconderia de tão precioso!
Alice's Adventures in Wonderland & Other Stories - Lewis Carroll. Esse é sem dúvidas meu xodó, não empresto e prefiro que fiquem longe dele!

12. Eu nunca fiz isso! Um livro que você tem vergonha de ter lido.
Cinquenta Tons de Sr. Darcy. (tenho vergonha mesmo, então não conte para ninguém) Fiquei tão traumatizada com esse livro que quase procurei um tratamento psicológico.  Sabe o ditado "A curiosidade matou o gato"? Me descreve perfeitamente nessa situação, li o livro por pura curiosidade e me ferrei, a escrita é péssima, o erotismo é bizarro, a tentativa de comédia é totalmente falha... bem. vou para de falar, já estou ficando irritada!

13. Cooorre! Um livro/autor que você não leria de jeito nenhum.
Não tenho nenhum especifico, mas não gosto de ler sagas grandes, aquelas que contenham 10 livros ou mais, geralmente são cansativas, sem falar que as vezes é impossivel completar a coleção. Tive minha experiência com "Rangers - A ordem dos arqueiros", os livros além de caros são difíceis de achar. Então, sim, eu tenho um certo preconceito por sagas muito longas.

14. Atrás dela! Cite uma personagem determinada.
Como eu era antes de você - Jojo Moyes. Considero Louisa Clark uma personagem bem determinada.

15. Um autor que você perseguiria até não aguentar mais! (ou seja, leria até a lista de compras).
Esse foi bem difícil de escolher, tem alguns autores que eu leria até a lista de compras, mas depois de um "duni duni te" escolhi a tia Sophie Kinsella.

~*~*~*~*~*~*~

É isso gente espero que tenham gostado das minhas respostas, vou deixar a tag em aberto para quem quiser responder.

Beijos,
Juh Bernardo

Novidades de novembro do Grupo Autêntica

Oi gente!!
Hoje estou trazendo os livros do Grupo Autêntica que acabaram de sair do forno!! 



Ela está em todo lugar - Cherie Priest
"May e Libby criaram a Princess X no dia em que se conheceram, e desde então tornaram-se inseparáveis. Através da personagem, as garotas mataram todos os dragões e escalaram todas as montanhas que a imaginação delas pôde criar.
Até Libby e sua mãe morrerem em um acidente de carro.
Três anos depois, May começa a ver imagens da Princess X em adesivos e pôsteres por toda a cidade.
Isso só pode significar uma coisa: Libby está viva. E May não vai parar enquanto não encontrá-la."
(gente, eu adorei essa capa!!)
 A dama da noite - Tessa Dare
"Pode um amor avassalador apagar as marcas de um passado sombrio?

Após anos lutando por sua vida, a doce professora de piano, Srta. Kate Taylor, encontrou um lar e amizades eternas em Spindle Cove. Mas seu coração nunca parou de buscar desesperadamente a verdade sobre o seu passado. Em seu rosto, uma mancha cor-de-vinho é a única marca que ela possui de seu nascimento. Não há documentos, pistas, e nem ao menos lembranças…
Depois de uma visita desanimadora para sua ex-professora, que se recusa a dizer qualquer coisa para Kate, ela conta apenas com a bondade de um morador de Spindle Cove, o misterioso, frio e brutalmente lindo, Cabo Thorne, para voltar para casa em segurança. Embora Kate inicialmente sinta-se intimidada por sua escolta, uma atração mútua faísca entre os dois durante a viagem. Ao chegar de volta à pensão onde mora, Kate fica surpresa ao encontrar um grupo de aristocratas que afirma ser sua família.
Extremamente desconfiado, Thorne propõe um noivado fictício à Kate, permitindo-lhe ficar ao seu lado para protegê-la e descobrir as reais intenções daquela família. Mas o noivado falso traz à tona sentimentos genuínos, assim como respostas às perguntas de Kate.
Acostumado com combates e campos de batalhas, Thorne se vê na pior guerra que poderia imaginar. Ele guarda um segredo sobre Kate e fará de tudo para protegê-la de qualquer mal que se atreva atravessar seu caminho, seja uma suposta família oportunista… ou até ele mesmo."

A protegida - Lisa Kleypas
"Uma escolha pode conduzi-la à felicidade… Ou partir irremediavelmente seu coração.

Liberty Jones é uma garota determinada, mas em sua vida pobre e difícil não há espaço para que ela consiga vislumbrar seus sonhos sendo realizados. Seu único consolo é a amizade e o amor que nutre por Hardy Cates, um jovem que possui ambições grandiosas demais para ficarem enterradas na pequena cidade de Welcome. Apesar da atração irresistível que pulsa entre os dois, tudo o que Hardy não precisa é de alguém para atrapalhar seus planos de sucesso, e ele a abandona no momento mais difícil de sua vida: quando a mãe de Liberty morre tragicamente em um acidente; deixando um bebê para ela criar. Mas a vida traz grandes surpresas e Liberty se vê sob a tutela de um magnata bilionário, que irá oferecer muito mais do que proteção à irmã e a ela, mas também revelará uma forte ligação com o passado obscuro da família de Liberty. O que Liberty não espera é ter de lidar com Gage Travis, o filho mais velho do magnata; o rapaz não aprova a presença dela em sua casa e fará de tudo para afastá-la de sua família… Gage apenas esquece de também mantê-la longe de seu coração."


Universo HQ Entrevista -  Sidney Gusman (Organização)
O Universo HQ completou 15 anos de atividade em 2015. A maior referência do Brasil quando o assunto é história em quadrinhos consolidou uma base de fãs fiéis e conquistou vários prêmios ao longo dos anos por brindar os leitores com notícias, resenhas, matérias, charges, colunas e entrevistas de qualidade ímpar. Estas últimas sempre mereceram carinho especial da equipe editorial e dos leitores. Embasadas em muita pesquisa, não raro surpreendiam positivamente os maiores nomes mundiais da HQ, “sabatinados” pela equipe do site. Para os leitores, era um deleite ver seus autores favoritos falando sobre tantos assuntos.
Para coroar a trajetória de sucesso do site, Sidney Gusman, editor-chefe do Universo HQ, reuniu neste livro as 21 melhores e mais representativas entrevistas publicadas desde que o site foi ao ar, em 5 de janeiro de 2000. Todas receberam notas de atualização (são 300, no total), para tornar o conteúdo o mais perene possível, seja atualizando o leitor sobre a repercussão do que no momento da entrevista eram apenas projetos futuros, seja detalhando alguma informação mencionada en passant pelo entrevistado. Como se não bastasse, você ainda encontrará aqui duas conversas inéditas e exclusivas com dois “monstros” dos quadrinhos!
Com retratos dos artistas e da equipe do Universo HQ feitos pelo talentoso caricaturista Eduardo Baptistão e dezenas de imagens coloridas, além de simpáticas dedicatórias ao fim de cada entrevista, Universo HQ Entrevista promete encher os olhos dos admiradores da Nona Arte, e constitui um verdadeiro tesouro para os fãs de quadrinhos.

 A Batalha da Colina Zumbi - Nancy Osa
"Ter caído de um avião é só o começo dos problemas de Rob, um pacífico fazendeiro que só queria voltar para casa e cuidar de seus cavalos. Agora, ele está em um lugar desconhecido e se vê ameaçado pelas criaturas mais perigosas, todas controladas pelo terrível Doutor Sujeira, um griefer que pretende obter controle sobre todas as fronteiras. Usando suas habilidades em treinar cavalos, ele forma uma tropa e recruta os amigos que faz ao longo de sua jornada. Turner e Stormie são valentes e espertos, enquanto Jools e Kim conseguem resolver até os problemas mais difíceis – mas trabalhar em equipe pode ser o maior desafio na batalha contra o Doutor Sujeira. Lutando contra zumbis, esqueletos ou creepers, o Batalhão Zero precisará se unir, ou o Mundo da Superfície estará perdido. Um livro que reúne humor, aventura e ação na medida certa para qualquer pessoa que já tenha jogado Minecraft ou para aqueles que ainda vão jogar. Uma montanha-russa com todos os monstros e mistérios que constroem uma boa história."
A Espada de Herobrine - Jim Anotsu
"Arthur e sua irmã, Mallu, não são o melhor exemplo de união. Porém isso tem de mudar quando eles são transportados para o Mundo da Superfície – no universo de Minecraft. Um lugar ao mesmo tempo fantástico e aterrorizante, onde construções impossíveis dividem espaço com monstros terríveis. Agora, cabe à dupla descobrir um caminho para casa antes que o Rei Vermelho, um controlador de monstros, os capture. A única esperança parece residir numa lenda muito antiga, sobre a pior criatura que já viveu no Mundo da Superfície. Seu nome? Herobrine. Aliando aventura, humor e cenas de causar vertigem, A Espada de Herobrine nos leva por embates incríveis contra aranhas, zumbis, endermen e creepers, na busca dos irmãos pela sobrevivência e pela volta para casa."    

Passageiro clandestino - Leonor Xavier
"Nessa viagem que a autora realiza para dentro de si mesma, a partir do momento em que percebe ter sido invadida por um corpo estranho, o que mais impressiona, além do infausto episódio que deu origem ao livro, é a qualidade da linguagem com que narra a experiência vivida. Leonor Xavier mostra como é possível fazer de um “sombrio assunto” motivo de fruição estética para o leitor. E é aí que sua narrativa deixa de ser um registro factual, um relato jornalístico, para ser literatura. Quem já passou por isso, como eu, sabe como é difícil expressar as nuances e variações desse turbilhão de sentimentos despertados por uma situação-limite em que é inevitável a perspectiva da morte. Como recomendava João Cabral de Melo Neto, ele mesmo o melhor exemplo do que aconselhava (“Sem perfumar sua flor/ Sem poetizar seu poema”), Leonor não dramatiza seu drama. O câncer abala, desestabiliza, mas não consegue tirar dela o otimismo, a esperança nem o bom humor, usado na medida certa. Nem quando recebeu por telefone o “veredito”, em meio a um almoço com amigos, “não calei nem disfarcei, nem apaguei a notícia”. Apenas disse em voz baixa para alguém a seu lado: “Estou com um câncer”. Esse é o estilo de Leonor, que abre mão das hipérboles, das exclamações e dos espantos retóricos. Em suma, Passageiro clandestino é o livro sobre um mal, mas que faz bem a quem o lê. Espero que tenha acontecido o mesmo a quem o escreveu com tanto talento e sensibilidade."

O mundo pode ser melhor , Árvore da vida - Marco Antônio Lage
"No livro O mundo pode ser melhor, Marco Antonio Lage, diretor de Comunicação Corporativa da Fiat Chrysler para a América Latina, conta a história do projeto Árvore da Vida, programa de responsabilidade social que o grupo desenvolve desde 2004 na comunidade Jardim Teresópolis, de 30 mil habitantes, na cidade de Betim, próxima à fábrica da empresa. Tendo como público alvo as crianças e adolescentes, o projeto tem foco em educação, geração de trabalho e renda, incentivo ao empreendedorismo e fortalecimento da comunidade. Os resultados são notáveis, das estatísticas escolares à inserção no mercado de trabalho, do crescimento da renda média das famílias à redução dos índices de violência e criminalidade. Com depoimentos emocionantes de dezenas de personagens, o texto narra as dificuldades de implantação, as ações desenvolvidas e as conquistas que tornam o projeto Árvore da Vida uma referência em projeto empresarial de inclusão social."

O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry (Ed. capa dura)
"Há mais de 70 anos encantando gerações de leitores de todas as idades, O Pequeno Príncipe sai agora pela Autêntica, em tradução que buscou uma linguagem – tanto verbal quanto visual – mais próxima do leitor brasileiro de nossos dias. A intenção era criar coloquialidade e, ao mesmo tempo, respeitar o tom clássico de uma das obras literárias mais importantes da literatura universal para o público infantil e juvenil, mas também para todos os adultos que conseguem enxergar a essência humana. O livro narra o encontro, no deserto do Saara, de um piloto francês, cujo avião sofrera uma pane, com um menino “de cabelos de ouro”. Num longo diálogo, o narrador descobre um pouco da vida do pequeno príncipe, percebe seu olhar infantil sobre a vida e o mundo; o pequeno príncipe, por sua vez, se vê diante de questões da vida dos adultos, e aquele encontro se transforma numa ligação forte, um dependendo do outro, compreendendo a importância que têm todos aqueles que cruzam nossa vida. Considerado uma das maiores obras do século XX, O Pequeno Príncipe é um dos livros mais traduzidos do mundo, não se sabe exatamente para quantos idiomas – o site oficial da obra Le Petit Prince fala em cerca de 253 idiomas e dialetos –, e revela uma visão filosófica e poética do mundo, da vida e da morte, das relações."


E aí? Tem interesse em alguma dessas novidades? conta pra gente!

Beijos,
Juh Bernardo

Resenha - A Voz do Arqueiro

Olá pessoas? Como estão?

Tenho um fraco pelos livros que a editora Arqueiro publica, e não foi diferente com este livro.
Fiquei muito feliz quando soube que a editora ia lançar a série Signos do Amor da Mia Sheridan, os livros dela foram muito bem aceitos lá fora, e nada mais justo do que ser aqui também. 
Entretanto fiquei com "um pé atrás" quando soube que iriam começar com o lançamento do 4° volume da série já não é a primeira vez e nem a primeira editora que faz isso, mas qual o problema de começar do primeiro?
Sendo assim, protelei para comprar o livro, poxa isso não se faz! Porém, um dia eu pesquisei mais a respeito e descobri que cada série aborda um casal diferente e que os livros não estão conectados, ou seja, a leitura não seria afetada.
Obviamente que ao saber desse fato eu corri para colocar A voz do Arqueiro no carrinho de compras da Saraiva  prefiro comprar livros online e só lá aceitam meu Vale Cultura e me arriscar na leitura.

A Voz do Arqueiro traz a história de Bree Prescott. Ela está fugindo de seus problemas, depois de sofrer um grande choque, tudo que Bree mais quer é ficar em paz. Assim ela  chega á cidade de Pelion, no estado do Maine.
Pelion é aquela cidade tranquila, onde todos se conhecem, desse modo, não demora para que Bree consiga alugar um lugar, arranjar um emprego e conhecer pessoas novas.

Enquanto atravessava meu quintal para ir pegar a bolsa dentro de casa, vi um dente-de-leão solitário cheio de penugem. Então me inclinei, colhi-o e o levei aos lábios. Fechei os olhos e me lembrei das palavras de Anne. Depois de um instante, sussurrei:
- Paz.
Então soprei a flor e vi a penugem ser levada pela brisa até perdê-la de vista. Torci para que, de algum modo, aquelas sementes pudessem alcançar algo ou alguém que tivesse o poder de tornar aquele desejo realidade.

Logo, Bree acaba esbarrando em Archer.
Archer Hale é um homem fechado, antiquado, solitário e, claro, com um passado obscuro. 
Bree começa a se interessar por ele e isso faz com que ela faça perguntas para seus novos amigos e bisbilhote pela cidade e isso claramente chama a atenção de Archer.
Nesse ínterim, ela conhece Travis Hale, o primo de Archer, ele é um mulherengo e fica interessado na nova moradora da cidade. Bem nem preciso comentar que rola um triangulo amoroso né?

Será que Bree encontrará a sua paz?
Será que ela conseguirá respostas sobre o misterioso Archer?

(...)
Eu Bree você
Eu ri e respondi:
Eu Archer você. Meus Deus, eu Archer muito você!
(...)
A voz de Archer Hale era uma das coisas mais bonitas do mundo inteiro!

O livro tem capítulos alternados, narrando o presente de Bree e o passado de Archer. Desse modo, o leitor vai conhecendo e entendendo o modo que o Archer viveu e ainda vive. Ele é um homem em seu exterior, mas seu interior guarda um menino ingênuo e puro que viveu em meio a dor.

Bree Prescott é uma personagem forte, que também passou por dificuldades, todavia ela me irritou um pouco, pois ela tinha dúvidas em momentos desnecessários e confiava cegamente em momentos em que não deveria. Fora que ela tem muita curiosidade, dessa forma eu não me identifiquei muito com ela.

A Voz do Arqueiro tem uma grande carga emocional, porém é narrado com leveza. A primeira página conta resumidamente A Lenda de Quíron, O Centauro, e essa lenda dá vida ao signo de Sagitário e isso é a única coisa que é abordado sobre o signo. Eu gostei muito da leitura, a narrativa é bem fluida e o leitor não fica cansado. Possibilitando ter uma leitura bem rápida. 

É muito interessante também como o livro aborda sobre pessoas especiais. Archer é mudo, não é um spoiler ok? Pois isso está logo na sinopse do livro. Eu definitivamente amo livros que abordam casos assim, li pouquíssimos livros com esses tipos de personagens e acho que livros assim clareiam a mente e os olhos de muitas pessoas. Nos faz refletir e ver as dificuldades que passam com um novo prisma e como nós devemos pensar em nossas atitudes com o próximo.

Super recomendo a leitura e já estou louca pelo próximo livro: O Coração do Leão muitos ficaram decepcionados com o título, pois lá fora o livro é intitulado simplesmente de Leo.

Próximo livro da série ♥
Beijos da Bruh ♥

Resenha - Meu Inverno em Zerolândia

Olá pessoas, como vão?

O que posso falar desse livro... Sabe aquele livro que você pega sem pretensão nenhuma? Expectativa zero?

Foi assim que se deu com esse livro, comecei a ler hoje ás sete da manhã e o terminei ao meio dia. Simples assim.

A italiana Paola Predicatori, traz uma narrativa marcante, delicada e ritmada. O livro é curtinho e, mesmo não havendo muitos diálogos, a leitura flui de tal forma que em poucas horas o livro é terminado.

Meu Inverno em Zerolândia conta a história da Alessandra. Ela, com apenas 16 anos, acaba de perder a mãe. O falecimento desta, não se dá de uma hora para outra, ela teve câncer, desse modo é algo doloroso e que se arrasta aos poucos.

Em 27 de setembro, primeiro dia de aula depois da morte de sua mãe, Alessandra fica apavorada, esta se sente como alguém cujo segredo mais íntimo acaba de ser revelado ao mundo. Ela não quer chamar a atenção, não quer seus amigos e até colegas com quem nunca falou perguntando como ela está e dando palavras motivacionais. Não quer que o mundo continue, mas tudo tem que continuar, o mundo não parou, ela tem que ir em frente.

Sendo assim, ao invés dela se sentar na carteira de sempre, ao lado de sua "amiga" Sonia, Ale tem duas opções: ou ela vai embora dali ou fica invisível. Com isso, ela segue para a carteira dos fundos, deixando todos da sala chocados.

Alessandra senta ao lado de Gabriel Righi, apelidado por todos de Zero.

Gabriel não tem uma vida fácil: ele passa por dificuldade em casa, tendo um pai que vive para bebida; uma mãe que trabalha por dois e sofre com a violência do marido. Zero é o cara que não está nem aí pra nada. Reservado e quieto, ele vira motivo de chacota da classe, cada um inventa algo sobre ele, seu passado, seu presente, assim, quando Ale senta ao lado de Zero, dele não sai nenhuma expressão, ele simplesmente a ignora. E isso para a Alessandra é o paraíso.

"E no entanto aqui estou, esmagada de tristeza misturada com uma ridícula dose de loucura, colada á mesa, com a contagem regressiva já iniciada. Três, dois, um. Zero."

Assim ela apelida os seus lugares de Zerolândia. Se afastando de seus amigos e apenas vivendo um dia de cada vez. Um silêncio de cada vez. Em um novo mundo.

"Agora estou em Zerolândia. Novo país, novas pessoas, praticamente duas, eu e  Gabriel Righi, o único, exclusivo e autêntico Zero, o rei absoluto de um reino deserto, bobo da corte numa turma que não perde a ocasião de dar risada ás suas custas. E ele corresponde, nunca nos decepcionou."

O livro intercala capítulos de antes e depois da morte da mãe de Alessandra. Conhecemos á fundo suas lutas, dores, arrependimentos, enfim, suas experiências boas e ruins. Vemos o quanto a dor da perda está quebrando a Ale aos poucos.

Claro que, com o passar do tempo, Alessandra e Gabriel começam a se conhecer e acabam se relacionando. Todos da sala os apelidam de Zero e Zeta.
Contudo Ale e Gabriel são imprevisíveis, fechados, angustiados; com seus próprios problemas, e isso afeta o relacionamento deles.

A autora trouxe um romance além do amor romântico, ela aborda diversos tipos de amor e este livro tem como sua verdadeira base o amor entre mãe e filha. Zerolândia é um lugar para desaparecer, para guardar as dores, as lembranças; para recomeçar pouco a  pouco. Em seu próprio tempo.
E dessa forma, vamos presenciando os erros e acertos da Ale, assim como seus recomeços.

"Quando a felicidade voltar, vou fingir que não é nada.
 Fingirei não perceber, como alguém que pode dispensá-la, que aprendeu e que basta.
Quando a felicidade voltar, não vou dizer nada a ela. 
Fingirei não a ver e pronto. 
Do mesmo jeito como, quando estudava, eu ouvia você se movimentando em seu quarto, 
ouvia o rádio transmitir a música baixinho, 
e não prestava atenção porque aquilo me parecia uma coisa de nada. 
Era aquilo, a felicidade, e eu não sabia.
Ás vezes no silêncio me parece haver alguma coisa do outro lado da parede e começo a escutar. Encosto o ouvido ali e espero. 
Da minha parte, só o vazio;  da sua, a ausência.
 E vencem sempre. 
Deixo que me aniquilem com o poder das coisas invisíveis.
 Quando eu era pequena, você me botava na cama e encostava a porta. 
Eu ouvia vovó perguntar baixinho "Ela dormiu?" e você respondia "Sim, estava cansada. Passou o dia brincando", e depois "Se amanhã fizer tempo bom, vou levá-la á pracinha."  
Vou levá-la á praia, vou levá-la comigo. 
Até o fim do mundo. 
Sempre.
 Para sempre. 
Vozes de outro aposento. 
A felicidade não era um grito, mas apenas um sussurro.
Vozes de outro aposento. 
Devo me lembrar disso, embora saiba que nada será como antes, nada volta igual no tempo.
 Aquele cochicho baixinho é toda a felicidade que conheço."

Esse livro é muito lindo, com passagens e reflexões maravilhosas. Não tem como não chorar com as lembranças que a Ale tem da mãe. Os diálogos estão na pontuação de Portugal, ou seja, entre aspas. A capa e diagramação são lindas. Esse é um livro com pessoas normais, com suas certezas e incertezas, com seus vícios e dores. O final é aberto á interpretações, o que fez perder uma estrela no Skoob, entretanto é uma leitura que vale muito. Recomendo muito essa leitura.

E você, já esteve em Zerolândia?


Beijos da Bruh

 

© Template elaborado por Cantinho do Blog. Clique aqui e Encomende o seu! - 2015. Todos os direitos reservados.Imagens Crédito: Valfré